terça-feira, agosto 19, 2008

atalho

a leitura é chave de mim:
faço que chego ao alvo,
mas caio
de soslaio
na esquina do pensamento.
a palavra que se faz código
eu desmonto e faço vela –
proa solta ferindo a rota
que, postergada,
rasga um atalho,
revelando icebergs autômatos,
estalactites raras,
de ponta cabeça:

what a mess!

pirracinha rabiscando o plano...

8 comentários:

Anônimo disse...

Cai sem querer por aqui, e saio ainda mais trôpego, embebedado por tuas palavras... beijo!

Aline Pedro disse...

"pirracinha rabiscando o plano..."
Tudo de bom, de lindo!!!
Continue assim :D

Samantha Abreu disse...

pelos versos, querida...
é como se meu corpo fosse mar.
Mar, Mar.
Ah, mar!

Yara Souza disse...

O caminho
que entalhas no plano
é deplanejado
é atalho
é falho
estraçalha

é bagunça rasgada, lida, rabiscada

meus instantes e momentos disse...

é lindo e inteligente teu modo de dizer o que escreves. Gosto muito do teu blog, gosto daqui.
Tenha uma bela noite.
Maurizio

ana disse...

a palavra rasga o papel.

Anônimo disse...

Lindas as imagens que vc cria...

Salve Jorge disse...

Nesse plano
Seu relevo
Revela que as sintaxes
Mais estão nas sinapses
Que no mundano
E os ápices
Os não sei se devo
Se atreve ao desterro
Que só no erro
Se há de singrar
Tamanho mar...